Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 13/03/2018 às 15:18:00
Vinte pessoas são presas na Operação 14 Bis, que apura desvio de recursos públicos na UTFPR de Cornélio Procópio
Segundo a PF há indícios de irregularidades de cerca de R$ 5,7 milhões.

A Polícia Federal de Londrina prendeu 20 pessoas e apreendeu documentos, carros de luxo, lanchas, moto e US$ 27 mil em espécie. No alvo da Operação 14 Bis, estão gestores e empresas que se uniram para fraudar licitações e contratos da Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR), no campus Cornélio Procópio. Entre os presos, o ex-diretor da UTFPR, Devanil Antônio Francisco; o ex-diretor de administração e planejamento da instituição, Sandro Rogério de Almeida; empresários e “laranjas”, em sua maioria pessoas simples e que emprestaram o nome em troca de favores, sem saber o verdadeiro uso dele. Segundo o delegado da Polícia Federal de Londrina, Nilson Antunes há indícios de desvio de dinheiro público de pelo menos R$ 5,7 milhões.

Além das prisões, foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão na própria universidade, em um escritório de contabilidade, em empresas dos investigados e na casa de “laranjas”. A justiça também autorizou o seqüestro e a indisponibilidade de bens dos envolvidos. A ação ocorreu nas cidades de Uraí, Cornélio Procópio, Nova América da Colina e Maringá.

Segundo o delegado da PF, as investigações apontaram a ocorrência de irregularidades graves em contratos celebrados entre a UTFPR-CP e empresas que prestaram serviços de manutenção predial, de ar-condicionado e de veículos, além de fornecimento de materiais de construção e de serviços de fotocópias. Entre as irregularidades estão a suspeita de obtenção de informação privilegiada, formação de grupo econômico, uso de documentos falsos ou insuficientes para atestar a capacidade técnica de empresas. Além de superfaturamento, sobrepreço, frustração de concorrência e suspeita de pagamento de materiais não recebidos ou desviados.

Ainda de acordo com a PF, além de participar de licitações da universidade, um dos grupos de empresas também mantinha negócios com outros órgãos federais em vários estados.

Segundo o superintendente da Controladoria Geral da União (CGU), José William Gomes da Silva, a universidade, assim que soube dos fatos, em 2015, realizou uma auditoria interna e demitiu dois servidores envolvidos nas possíveis fraudes. A demissão ocorreu em 2017.

A operação tem o nome de “14 Bis” em alusão à empresa de propriedade do ex-diretor da universidade. Ela administrava os bens e imóveis dele, como dois prédios com 58 quitinetes, que eram alugadas para os universitários; e um prédio luxuoso em construção, em sociedade com um dos empresários presos.

Segundo o delegado da Receita Federal em Londrina, Luis Fernando da Silva Costa, a investigação mostrou que o patrimônio dos investigados, principalmente do ex-diretor, é incompatível com os valores declarados. Agora, de posse dos documentos apreendidos, a Receita vai iniciar uma fiscalização mais detalhada nas empresas envolvidas no esquema.

Os presos foram conduzidos à delegacia da Polícia Federal de Londrina, onde ficam à disposição da justiça. Eles devem responder pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e crimes contra o processo licitatório.

Veja também
18/01/2019
Ex-chefe regional do IAP assume a Secretaria de Agricultura e Abastecimento de Londrina
Ronaldo Deber Siena toma posse do cargo nesta segunda-feira.
18/01/2019
Gaeco pede que Mário Takahashi e Rony Alves continuem longe da Câmara de Vereadores
Promotor afirma que presença dos dois no Legislativo pode atrapalhar a instrução processual e cita suposta coação de Rony Alves a testemunha da Operação ZR3 e que acabou levando o vereador para a prisão.
18/01/2019
UEL abre inscrições para moradia estudantil e gratuita no campus
Estudantes de baixa renda de fora de Londrina podem concorrer a uma das 82 vagas. Além de uma vaga na moradia, alunos também podem solicitar a chamada bolsa permanência, de R$ 300 mensais.
18/01/2019
Resultado do Vestibular 2019 da UEL já está disponível no site da Cops
Nesta primeira chamada, 2.456 estudantes foram convocados pela universidade, sendo 1.324 mulheres e 1.132 homens. Do total de vagas, mais de 1.300 estão sendo ofertadas por meio do sistema de cotas.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.