Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 11/07/2019 às 14:50:00
Laudos comprovam que cachorro que teria sido vítima de maus-tratos morreu em decorrência de um traumatismo craniano
Exames foram anexados a processo que investiga empresário pela morte deste e de um outro animal. Caso foi transferido do Juizado Especial para a Justiça Criminal de Londrina.
Laudos comprovam que cachorro que teria sido vítima de maus-tratos morreu em decorrência de um traumatismo craniano

A CBN teve acesso à íntegra de uma investigação iniciada no mês passado para investigar um empresário pela morte de dois cachorros. O caso foi repassado à Polícia Civil, que, nas últimas semanas, ouviu o acusado e também diversas testemunhas, entre elas protetores de animais que acompanham a situação desde o início e as veterinárias que trataram os animais supostamente vítimas de maus-tratos.

As mortes, conforme a polícia, teriam acontecido nos dias 24 de maio e cinco de junho deste ano. Na primeira ocorrência, a vítima teria sido uma cadela de nome Akira. Em depoimento, o acusado alegou que o animal morreu durante o banho, e que não teve nada a ver com a situação. Por outro lado, funcionárias da clínica veterinária responsável por atender a cachorra disseram, em depoimento, que o suspeito teria confessado ter matado a cadela. A polícia chegou a pedir exames de necropsia, mas, como o animal foi cremado antes de o caso vir à tona, os laudos não foram realizados.

Já em relação à segunda morte, de um cachorro chamado Haka, o Conselho Regional de Medicina Veterinária conseguiu autorizar o exame de necropsia, que, anexado ao processo, revela que o animal teria morrido em decorrência de um traumatismo craniano. O laudo aponta, ainda, que o cachorro estava sem alguns dentes e com diversas lesões pelo corpo, além de pontos de sangramento na boca e o nariz, e os olhos vermelhos.

As funcionárias da clínica veterinária que também atendeu Haka afirmam que, na semana que antecedeu a sua morte, o cachorro foi levado pelo dono com a pata quebrada. O animal teria chegado a passar por uma cirurgia. Em depoimento à polícia, o suspeito alega que nunca bateu no cachorro, e que ele morreu depois de passar mal.

Mas, para Adriana Santos, uma das protetoras que denunciaram o caso, os laudos deixam claro que Haka foi espancado até a morte.

Depois de concluir o inquérito, o caso foi repassado para o Juizado Especial de Londrina, que, por sua vez, alegou não ter competência e o transferiu para a Justiça Criminal. A primeira audiência do caso, que estava marcada para esta sexta-feira, foi cancelada por conta disso. A defesa do empresário pediu para que o caso fosse tratado com sigilo, mas a solicitação foi negada pela Justiça. A CBN procurou o advogado Arthur Gatti, que defende o suspeito, mas ele preferiu não gravar entrevistas. Por telefone, disse apenas que o seu cliente é inocente, e que isso ficará provado ao longo do processo.

A protetora reconhece que, por conta de a pena máxima ser muito branda, é bem possível que o empresário, mesmo se condenado, não seja preso. Para ela, a lei que trata de crimes cometidos contra animais precisa passar por reformulação.

Veja também
16/07/2019
Novas empresas começam a fornecer alimentação às escolas municipais na semana que vem
Secretário de Gestão Pública diz que contratos acabaram ficando quase R$ 1,5 milhão abaixo do previsto no edital de licitação.
16/07/2019
Temperaturas devem se manter entre 8 e 20º C ao longo dessa semana sem chuvas
A chuva da última segunda-feira na região trouxe uma pequena queda nas temperaturas, mas o alerta a geada fica somente para a região sul do estado.
16/07/2019
Recuperação das vias marginais da PR-445 deve ser finalizada em setembro
A obra estava prevista para iniciar no primeiro semestre do ano passado, mas só na semana passada que os trabalhos iniciaram.
16/07/2019
Acesso à avenida Theodoro Victorelli pela Dez de Dezembro fica interditado até Outubro
Fechamento da pista será necessário para serviços de aterramento na área.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.