Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 12/02/2018 às 17:05:00
Justiça arquiva inquérito de homem que morreu ao invadir plantão de delegacia em Londrina
O vigilante Rogério Teixeira, de 46 anos, morreu após ser baleado por um policial civil.

A juíza da 1ª Vara Criminal de Londrina, Elisabeth Kather, determinou o arquivamento do inquérito que apurava a morte do vigilante Rogério Teixeira, 46 anos, em julho do ano passado quando ele invadiu o plantão da sede da 10ª Subdivisão Policial. Segundo as investigações, ele quebrou a porta de vidro da delegacia, na avenida Leste Oeste. A ação foi flagrada por uma câmera de segurança.

Um investigador estava trabalhando quando a proteção foi arrombada. Para a Justiça, ele agiu em legítima defesa ao atirar contra o invasor. Na época, o delegado-chefe da Polícia Civil, Osmir Ferreira Neves, disse que o servidor chegou a atirar nas paredes para conter o homem, que não teria se assustado.

Ele efetuou um novo disparo contra Teixeira, que ainda teria perseguido o policial pelas dependências da delegacia. Baleado, ele foi ao chão por causa do ferimento e morreu pouco depois. O Instituto de Criminalística teria encontrado uma porção de cocaína em um dos bolsos da vítima.

Em depoimento, a mãe do vigilante observou que o filho sofria de transtornos mentais. Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná informou que o investigador ainda é alvo de um processo disciplinar. Depois do caso, ele foi afastado, mas já retorno ao trabalho. 

Veja também
25/09/2018
Ocupantes do Flores do Campo vão até a prefeitura e não avançam em negociações
A proposta apresentada de dar condições de moradia a apenas uma parcela das famílias que vivem no local não agradou nem a promotoria.
25/09/2018
Curso de medicina continua sendo o mais concorrido do vestibular da UEL
São 122 candidatos concorrendo por vaga.
25/09/2018
Governadora faz rápida visita a Londrina e vistoria obras no HU
Em entrevista Cida Borghetti falou sobre o pedido de afastamento de Beto Richa da campanha e sobre o Refis para as empresas do estado que teve um pedido de explicações do Ministério Público.
25/09/2018
Sindicalista investigado pela operação Registro Espúrio diz que é inocente e que valor recebido pela federação foi autorizado pela justiça
Os R$ 2,5 milhões questionados pela Polícia Federal teriam sido, segundo ele, para pagar uma dívida da União com a Fenatracoop.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.