Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 12/07/2018 às 19:13:00
Indústria de couro desativada atingida por incêndio pode responder por crime ambiental
Sema e IAP abriram um processo para averiguar responsabilidades da empresa, já falida, na ocorrência, que, além do possível dano ao meio ambiente, incomodou os moradores da zona sul de Londrina.
Indústria de couro desativada atingida por incêndio pode responder por crime ambiental

Foram mais de 15 horas ininterruptas de combate ao incêndio, que destruiu todo o material armazenado num dos barracões da fábrica de couro desativada, localizada às margens da PR-445, na saída de Londrina para Curitiba. Três caminhões do Corpo de Bombeiros se revezaram na contenção das chamas, que consumiram toneladas de retalhos de couro já curtido. E é justamente este detalhe que preocupa os órgãos ambientais, já que, quando passa pelo processo de curtume, o material recebe cromo, um metal altamente tóxico que, por meio do incêndio, pode ter contaminado o ambiente ao redor e prejudicado a saúde dos moradores.

Secretaria Municipal do Ambiente e Instituto Ambiental do Paraná se reuniram pra levantar os possíveis danos ambientais, além de averiguar a responsabilidade da indústria, falida há dois anos. Quem explica é o secretário Gilmar Domingues Pereira.

O telefone da secretaria para denúncias e mais informações é o 3372-4758.

Veja também
25/09/2018
Ocupantes do Flores do Campo vão até a prefeitura e não avançam em negociações
A proposta apresentada de dar condições de moradia a apenas uma parcela das famílias que vivem no local não agradou nem a promotoria.
25/09/2018
Curso de medicina continua sendo o mais concorrido do vestibular da UEL
São 122 candidatos concorrendo por vaga.
25/09/2018
Governadora faz rápida visita a Londrina e vistoria obras no HU
Em entrevista Cida Borghetti falou sobre o pedido de afastamento de Beto Richa da campanha e sobre o Refis para as empresas do estado que teve um pedido de explicações do Ministério Público.
25/09/2018
Sindicalista investigado pela operação Registro Espúrio diz que é inocente e que valor recebido pela federação foi autorizado pela justiça
Os R$ 2,5 milhões questionados pela Polícia Federal teriam sido, segundo ele, para pagar uma dívida da União com a Fenatracoop.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.