Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 13/11/2017 às 00:48:00
Ex-funcionários de fábrica de amianto de Londrina e parentes de trabalhadores já falecidos vão à justiça cobrar indenizações
Um grupo de cerca de 200 ex-empregados da Infibra, que atuava em Londrina e usou o produto durante anos, se reuniu no sábado. Especialista no tema diz que empresa não cumpriu com uma série de obrigações legais e deixou um legado de doentes e viúvas para a

A assembleia foi realizada no sábado no Salão Paroquial São José Operário, no Jardim Leonor.  Os trabalhadores expostos ao produto e familiares de quem já faleceu vão cobrar na Justiça indenizações pelas doenças e mortes resultantes do contato com o produto.

A ação civil pública é organizada por ex-funcionários e parentes dos trabalhadores da antiga fábrica da Infibra em Londrina, que fechou as portas em 2003.

O amianto foi proibido em quase todo o mundo e é reconhecido pela Organização Internacional do Trabalho como um produto cancerígeno, além de outras doenças respiratórias graves. Fernanda Gianazi é uma das especialistas mais respeitadas do país no tema. Colaboradora da Abrea, a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto, ela diz que cerca de 200 funcionários da empresa já fizeram exames. Segundo Gianazi, a fábrica não cumpriu com dispositivos da legislação trabalhista e deixou um legado de doentes e viúvas para a cidade.

Segundo a especialista, a assembleia de sábado teve como objetivo orientar familiares e vítimas do amianto sobre os direitos deles. Gianazi diz que a empresa, mesmo fechada, é obrigada a dar atenção à saúde dos ex-trabalhadores expostos ao produto e uma indenização aos doentes já diagnosticados. A especialista explica que o amianto é reconhecidamente cancerígeno é proibido em diversos países. De acordo com Fernanda Gianasi, as doenças causadas pelo amianto, entre elas diversos tipos de câncer, podem se manifestar em até 50 anos após o primeiro contato com o produto.

De acordo com a Associação, pelo menos uma vítima do mesotelioma maligno de pleura,um tipo de câncer causado pelo produto, já foi identificada entre os ex-funcionários da Infibra que passaram por exames no Hospital do Câncer de Londrina. A Abrea foi fundada em Osasco há 22 anos e está organizada em seis estados do país.  

Em agosto desse ano, o Supremo Tribunal Federal decidiu que a Lei que permite o uso do amianto é inconstitucional. Mas, a decisão não significou a proibição da comercialização do produto em todo o país. O impasse só deve ser resolvido depois de novos julgamentos sobre o caso, que ainda não têm data marcada. A derrubada da lei provocou um vácuo jurídico e o uso do amianto ficou proibido apenas nos estados onde a substância já é vetada. O uso continua permitido onde não há lei específica sobre o caso, como no Paraná. A expectativa é que o Paraná e outros estados criem uma lei para suspender o comércio desse material.

Veja também
18/06/2018
Instituto de Pesos e Medidas fiscaliza radares móveis da CMTU
Fiscalização do órgão também vistoriou tacógrafos de mais de 300 caminhões, ônibus e vans, e dez motoristas foram multados.
18/06/2018
Suspeita de vantagem indevida para licença de pontos de food trucks leva vereador a questionar fiscalização pela prefeitura de Londrina
Denuncias chegaram a Câmara pelos próprios empresários do setor que não entendem como algumas pessoas passam à frente da lista de vagas da CMTU.
18/06/2018
Receita Estadual entrega documentação ao Ministério Público para apurar abusos nos reajustes dos combustíveis durante a greve dos caminhoneiros
Os donos de postos podem responder por crime contra a economia popular e as relações de consumo.
18/06/2018
Projeto nacional da Serasa traz caminhão itinerante para Londrina
Cidade tem quase um terço da população com algum tipo de inadimplência, número acima da média nacional. No caminhão, consumidor tem acesso a serviços como consulta do CPF, pontuação de crédito e o chamado Cadastro Positivo.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.