Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 09/09/2019 às 18:11:00
Com volume de dados e informações gigantesco, Gaeco ganha mais tempo para concluir Operação Sicário
Promotor diz que investigação está avançando e que prisão de integrantes do comando paranaense deve contribuir para enfraquecer organização criminosa aqui no estado.
Com volume de dados e informações gigantesco, Gaeco ganha mais tempo para concluir Operação Sicário

Com a prorrogação autorizada pelo juiz Juliano Nanuncio, a operação deflagrada em 31 de julho pela PM e Gaeco, ganhou outros 30 dias para encerrar as investigações. Com 96 presos e mais de 100 mandados de busca e apreensão cumpridos em 26 cidades do Paraná e de um município de São Paulo, a Operação Sicário, segundo o Ministério Público, se tornou uma das maiores da história do estado. Com uma grande quantidade de material apreendido, os promotores correm contra o tempo para conseguir analisar documentos, celulares e outros objetos.   

Todos os presos são suspeitos de pertencer a uma facção responsável por crimes como tráfico de drogas, associação para o tráfico, sequestro, cárcere privado e homicídios, entre outros crimes. As ordens judiciais foram expedidas pela 3ª Vara Criminal de Londrina. O promotor Leandro Antunes, do Gaeco explica que a investigação está exigindo dele e dos colegas trabalho redobrado.

A maioria dos mandados foi cumprida em residências, mas, segundo o promotor, também houve dezenas de prisões em penitenciárias e delegacias de todo o estado. Aqui na região, 24 mandados foram cumpridos no sistema prisional, sendo três deles na Casa de Custódia de Londrina, doze na PEL 1, oito na PEL 2 e um no Creslon. Além de outros sete em delegacias: três em Bela Vista do Paraíso, dois em Londrina e dois em Ibiporã.

Leandro Antunes diz que, apesar da quantidade de informações, o trabalho vem avançando rápido e deve resultar em uma série de denúncias.

Na avaliação do promotor, a operação contribuiu para enfraquecer a atuação da organização criminosa aqui no estado. Antunes destaca a prisão de integrantes do comando estadual da facção.

Todas as ordens judiciais foram expedidas pela 3ª Vara Criminal de Londrina. De acordo com o promotor, a facção tem um modelo de funcionamento mais organizado que muitas empresas, com setores específicos para cuidar das finanças e até dos recursos humanos do grupo. Segundo Leandro Antunes, o Ministério Público não deve pedir mais nenhuma prorrogação de prazo ao juiz responsável pelo caso.

Veja também
16/09/2019
Princípio de tumulto em delegacia de Ibiporã faz delegado manter alerta
No fim do mês passado mais de 40 detentos conseguiram fugir. A cadeia está hoje com 160 presos e tem capacidade para apenas 35.
16/09/2019
Operação conjunta faz pente fino em empresas de aviação agrícola do Norte Pioneiro
Foram vistoriados pátios de descontaminação, oficinas e até pistas de pouso e decolagem. Dos 20 aviões fiscalizados, 12 tiveram as atividades suspensas, 3 foram interditados e 1 foi apreendido.
16/09/2019
Professores aprovados em concurso querem saber se serão convocados para trabalhar nas cinco creches do Município que estão sendo construídas
Com promessa de entrega das unidades agora no segundo semestre e funcionamento já a partir de 2020, eles dizem que falta de informações vem trazendo insegurança para os profissionais.
16/09/2019
Proposta que altera marco regulatório do saneamento básico no país é discutido em reunião pública na OAB
Especialista diz que principal mudança em discussão no projeto de Lei é o estímulo à privatização do setor.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.