Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 12/09/2018 às 14:36:00
Assentados do Eli Vive fazem protesto em frente à prefeitura
Na lista de reivindicações, escolas, posto de saúde e estrada rural.
Assentados do Eli Vive fazem protesto em frente à prefeitura

Pessoas que vivem no assentamento Eli Vive, em Lerroville estão mobilizadas em frente à prefeitura de Londrina. O grupo, que chegou cedo ao prédio do executivo em seis ônibus, faz três principais reivindicações: a reforma das escolas do distrito, um posto de saúde e a construção de uma estrada rural. Segundo o representante do movimento, Jauri Dias, são 107 km de via para acesso ao assentamento. Vivem no local, mais de 3000 pessoas, cerca de 500 famílias do Movimento Sem Terra (MST).

Segundo o representante, eles só desocupam a praça em frente à prefeitura, depois de conversar com o prefeito e com outros órgãos. Além das reivindicações de responsabilidade do município, eles pedem também uma escola estadual e melhores condições de moradia.

O chefe de gabinete Marcos Urbaneja promete atender os representantes do movimento e tentar resolver essas questões. Ele disse também que o município vai ajudar a reunir os demais órgãos, como o estado, o INCRA e o Ministério Público (MP) para discutir a pauta de reivindicações do grupo.

Ainda de acordo com a liderança dos assentados, estão na frente da prefeitura, cerca de 400 pessoas. Eles já montaram acompanhamento, levaram fogão, comida e colchões para se manter em vigília.

Veja também
23/04/2019
Prefeitura ainda terá que abrir processo licitatório fechar a cratera no conjunto Neymann Sahyun
A intenção no início do ano era contratar emergencialmente uma empresa para tapar o buraco, mas a obra é maior do que o esperado e será preciso licitar.
23/04/2019
Projeto que altera cálculos de horas extras de servidores vai ser melhor discutido
A proposta que altera o Estatuto do Servidor Municipal foi questionada pelo Sindicato da categoria.
23/04/2019
Parceria com UEL vai formar Núcleo de Apoio Técnico ao Poder Judiciário
A intenção é que os trabalhos iniciem em dois meses e deve agilizar sentenças de solicitações a medicamentos que não estão disponíveis no SUS.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.