Londrina - AO VIVO
:
Ouvir
Publicado em 12/02/2018 às 19:08:00
Advogados criticam denúncia do Ministério Público em operação que investiga mudanças de zoneamento em Londrina
Promotores denunciaram 13 pessoas, entre vereadores, empresários, membros do Conselho Municipal da Cidade e ex-secretários municipais.
Advogados criticam denúncia do Ministério Público em operação que investiga mudanças de zoneamento em Londrina

O juiz da 2ª Vara Criminal de Londrina, Delcio Miranda da Rocha, deve decidir nos próximos dias se aceita ou não a denúncia do Ministério Público da Operação ZR-3, ou Zona Residencial 3, que apura possíveis pagamentos indevidos a agentes públicos para mudanças específicas de zoneamento em Londrina. A investigação foi deflagrada no dia 24 de janeiro. Treze pessoas foram denunciadas por 15 diferentes fatos, como corrupção ativa, passiva e associação criminosa. Na lista, estão o ex-presidente da Câmara Municipal, vereador Mário Takahashi, do PV, e Rony Alves, do PTB, afastados 180 dias do Legislativo por ordem judicial. Eles continuam sendo monitorados por tornozeleiras eletrônicas.

Procurado para comentar a denúncia, o advogado do petebista, Maurício Carneiro, criticou a posição dos promotores. Para a defesa, não há um único depoimento ou qualquer prova documental que confirme a existência de suposto crime ou que os acusados teriam praticado qualquer delito.

Segundo Carneiro, o silêncio dos empresários José de Lima Castro e Brasil Teodoro Filho durante depoimento no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, o Gaeco, são “fatos incontestáveis de que o vereador Rony jamais pediu ou recebeu qualquer tipo de vantagem”.

Para o advogado, o Ministério Público pecou em não ter cautela nas investigações. Ele ressaltou que acusações sérias estão sendo feitas, mas todas estão desprovidas de indícios. Carneiro foi mais além. Afirmou que a denúncia está pautada em opinião.

O advogado Michel Neme Neto, responsável pela defesa de Mário Takahashi, informou que não comentaria o assunto porque não teve acesso ao posicionamento do MP. O advogado Marcos Ticianelli, que defende Ignes Dequech, ex-presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano, o Ippul, na gestão Kireeff, avaliou que a sua cliente é inocente, mas não quis gravar entrevista.

O advogado Luciano Molina, que representa Luis Guilherme Alho, apontado como um dos intermediadores para pagamento de propina aos vereadores, estava com o celular desligado. 

Veja também
16/07/2018
Prefeitura quer ofertar R$ 3 milhões em compras para pequenas empresas de Londrina e região
O objetivo é fazer com que licitações, que preveem aquisições de produtos para as áreas da saúde e educação, sejam disputadas por fornecedores locais, o que faria o dinheiro investido ficar na cidade.
16/07/2018
Após “bronca” do Gaeco e ação por improbidade, Comissão Processante da ZR3 volta a se reunir em dia decisivo
CP que investiga vereadores acusados de corrupção pretende passar toda esta segunda-feira ouvindo testemunhas convocadas pela defesa dos investigados. Parlamentares também devem ser interrogados.
16/07/2018
Advogados de acusados de jogarem mulher de 4º andar de prédio acreditam numa reviravolta do caso
Novos laudos confirmam que ferimentos encontrados na barriga da vítima não foram causados por um objeto cortante, o que vai na contramão do que apostava a polícia. Conclusão do inquérito deve sair nos próximos dias.
16/07/2018
Sobram vagas em abrigos noturnos de Londrina
Operação Noite Fria tem mais de 200 vagas por noite, mas poucos moradores de rua aceitam a abordagem social e preferem o relento por causa do uso de entorpecentes.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.