Londrina - AO VIVO
Manhã da Globo:
Julio Cesar
Ouvir
Publicado em 12/02/2018 às 19:08:00
Advogados criticam denúncia do Ministério Público em operação que investiga mudanças de zoneamento em Londrina
Promotores denunciaram 13 pessoas, entre vereadores, empresários, membros do Conselho Municipal da Cidade e ex-secretários municipais.
Advogados criticam denúncia do Ministério Público em operação que investiga mudanças de zoneamento em Londrina

O juiz da 2ª Vara Criminal de Londrina, Delcio Miranda da Rocha, deve decidir nos próximos dias se aceita ou não a denúncia do Ministério Público da Operação ZR-3, ou Zona Residencial 3, que apura possíveis pagamentos indevidos a agentes públicos para mudanças específicas de zoneamento em Londrina. A investigação foi deflagrada no dia 24 de janeiro. Treze pessoas foram denunciadas por 15 diferentes fatos, como corrupção ativa, passiva e associação criminosa. Na lista, estão o ex-presidente da Câmara Municipal, vereador Mário Takahashi, do PV, e Rony Alves, do PTB, afastados 180 dias do Legislativo por ordem judicial. Eles continuam sendo monitorados por tornozeleiras eletrônicas.

Procurado para comentar a denúncia, o advogado do petebista, Maurício Carneiro, criticou a posição dos promotores. Para a defesa, não há um único depoimento ou qualquer prova documental que confirme a existência de suposto crime ou que os acusados teriam praticado qualquer delito.

Segundo Carneiro, o silêncio dos empresários José de Lima Castro e Brasil Teodoro Filho durante depoimento no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, o Gaeco, são “fatos incontestáveis de que o vereador Rony jamais pediu ou recebeu qualquer tipo de vantagem”.

Para o advogado, o Ministério Público pecou em não ter cautela nas investigações. Ele ressaltou que acusações sérias estão sendo feitas, mas todas estão desprovidas de indícios. Carneiro foi mais além. Afirmou que a denúncia está pautada em opinião.

O advogado Michel Neme Neto, responsável pela defesa de Mário Takahashi, informou que não comentaria o assunto porque não teve acesso ao posicionamento do MP. O advogado Marcos Ticianelli, que defende Ignes Dequech, ex-presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano, o Ippul, na gestão Kireeff, avaliou que a sua cliente é inocente, mas não quis gravar entrevista.

O advogado Luciano Molina, que representa Luis Guilherme Alho, apontado como um dos intermediadores para pagamento de propina aos vereadores, estava com o celular desligado. 

Veja também
21/02/2018
Câmara quer reunião com entidades para discutir revogação de plebiscito da Sercomtel
Leis aprovadas na década de 90 e em 2009 estabelecem consulta popular para decisões que envolvam situação financeira da telefonia
21/02/2018
CMTU modifica vias do Parque Guanabara para aliviar o trânsito na Avenida Higienópolis
Os trabalhos envolvem mudança de sentido em duas ruas e proíbe conversões à esquerda de outras duas pistas.
21/02/2018
Vereadores afastados ganham mais tempo para contestar pedido de cassação na Câmara Municipal
Defesas de Mário Takahashi e Rony Alves têm até março para responder acusações de Filipe Barros, que quer revogação dos mandatos.
21/02/2018
Justiça bloqueia bens de servidor que teria superfaturado contratos da Santa Casa de Cambé
Segundo o Ministério Público, irregularidades teriam acontecido entre 2004 e 2012. Acusado tem duas semanas para apresentar defesa.
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.